Lipoaspiração

A lipoaspiração utilizada atualmente tem aproximadamente 20 anos de evolução desde a divulgação pelo Dr. Ives Gerard Illouz; outros cirurgiões evoluíram dramaticamente a técnica e provavelmente novas modificações e melhoramentos advirão com o passar dos anos.

O objetivo da técnica é oferecer melhoria do contorno corporal a curto tempo e com efeitos duradouros através da retirada do tecido gorduroso por meio de cânulas de múltiplas e pequenas incisões.

Hoje em dia existem dia existem diversas maneiras para o procedimento, que podem ser realizado com seringas, bombas de vácuo, vibrolipoaspiração, lipoaspiração ultrassonica, etc. Entretanto cabe ressaltar que o melhor método é aquele com o qual o cirurgião tem maior intimidade.

Independente do utilizado, a grande evolução na lipoaspiração é a chamada solução de Klein que é injetada dentro do tecido gorduroso 30 minutos antes do início da lipoaspiração e proporciona a retirada de gordura praticamente sem sangue, diminuindo o inchaço (edema) e hematomas ou equimoses (manchas roxas).

A indicação da técnica é baseada em características da pele e tecido gorduroso do paciente e, preferencialmente, para o tratamento de depósito de gordura em áreas localizadas.

O limite de retirada de gordura situa-se em torno de 5 à 7% do peso do paciente, respeitando-se, claro, os parâmetros clínicos intra- operatórios. Em alguns casos pode haver o reaproveitamento da gordura de determinado local para ser utilizada em outro (enxerto) visando tratamento de depressões, rugas e aumento glúteo; os volumes injetados variam de mililitros a 500ml, no sentido de obter volume e melhoramento do contorno locoregional.

No entanto, a experiência prática nos mostra a necessidade de duas ou mais injeções complementares para a obtenção do resultado final desejado, graças a reabsorção de parte da gordura injetada.